Notícias

Estudo em macacos amplia esperança por vacina contra o HIV - 04/01/2012

CHICAGO, 4 Jan (Reuters) - Uma vacina experimental ajudou a proteger macacos contra uma forma especialmente letal do vírus da Aids, aumentando as esperanças quanto à criação de uma vacina eficaz em humanos, disseram pesquisadores dos Estados Unidos nesta quarta-feira.

A vacina reduziu em 80 por cento o risco de contaminação entre os macacos expostos a uma versão símia do vírus, segundo o relato publicado na revista Nature. Entre os animais que foram contaminados, a carga viral no sangue era menor.

"É um importante avanço no conhecimento", disse por telefone o médico Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Doenças Alérgicas e Infecciosas dos Estados Unidos.

Os cientistas ficaram especialmente animados porque o estudo contribuiu com a identificação de uma parte importante do sistema imunológico que é necessária para haver proteção contra o vírus HIV, que causa a Aids.

O resultado é tão promissor que os pesquisadores já planejam testar a vacina em humanos no ano que vem.

Atualmente não existe vacina contra a Aids, mas em 2009 um estudo com 16 mil pessoas na Tailândia mostrou pela primeira vez resultados animadores.

No caso da vacina testada em macacos, foram usadas versões atenuadas de dois vírus comuns -o adenovírus (que causa resfriados) e o vírus da varíola. Eles serviram de veículos para a administração do antígeno do vírus da imunodeficiência símia (SIV), provocando uma reação imunológica.

"As vacinas que testamos tinham uma amplíssima experiência na prática clínica, o que significa que a transição do trabalho com animais para o trabalho com humanos será muito fácil", disse o coronel Nelson Michael, diretor do Programa Militar de Pesquisas com o HIV, no Instituto Walter Reed de Pesquisas do Exército dos EUA, que participou do trabalho na Tailândia e do novo estudo.

Após vacinar os macacos, a equipe os expôs a uma versão agressiva do SIV. Após repetidas exposições, a maioria dos macacos acabou ficando contaminada, mas mesmo nessas circunstâncias a vacina ofereceu uma proteção adicional.

"Vimos duas coisas que foram realmente importantes. Uma proteção contra a infecção, mas mesmo em animais que ficavam infectados vimos níveis reduzidos do vírus", disse Michael.

Em seguida, a equipe realizou exames para descobrir qual parte do sistema imunológico dos macacos havia sido ativada. Eles descobriram que o "envelope" dos genes, usado pelos vírus para penetrar nas células, era crucial na proteção dos animais.

"Essa vai ser a âncora para a próxima geração de vacinas que irá nos impulsionar para além da (pesquisa da) Tailândia", disse Michael.

Ele alertou que os estudos com humanos só devem começar em janeiro de 2013.

O grupo mantém uma estreita colaboração com o laboratório Crucell, unidade da Johnson & Johnson.

Cerca de 34 milhões de pessoas são portadoras do vírus HIV no mundo e mais de 25 milhões já morreram em decorrência da Aids desde a década de 1980, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU).

(Reportagem de Julie Steenhuysen)